Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Pelos caminhos de Alcochete

por Os bloggers, em 03.05.17

Num dos nossos últimos passeios de fim de semana fomos até à zona de Alcochete.

O dia estava quente, um verdadeiro dia de Verão (na Primavera)!

DSC08846.jpg

Começámos por ir até à zona das Salinas do Samouco. Situadas na margem do rio Tejo, as Salinas constituem ainda um exemplo vivo daquela que foi, durante muito tempo, a principal atividade económica de Alcochete – a salicultura. Apenas visitámos superficialmente o local, mas ficámos com vontade de voltar para fazer uma visita guiada. Para além da beleza das antigas salinas, é possível apreciar a fauna e flora locais. Se tiverem sorte podem apreciar flamingos e pernilongos no seu habitat natural.

DSC08885.jpgDSC08858.jpgDSC08886.jpgDSC08879.jpgDSC08840.jpg

Como adoramos a beleza inerente a imponentes edifícios abandonados, não nos passaram despercebidos os antigos espaços da seca de bacalhau que segundo as notícias irão dar lugar a um complexo turístico de luxo.

DSC08891.jpgDSC08912.jpgDSC08911.jpg

As margens do Tejo com praia fluvial também nos cativaram pela sua calma e beleza genuína.

DSC08906.jpg

Seguimos então até à zona ribeirinha de Alcochete e do pontão, que mereceu uma caminhada para explorar a zona. O local é muito bonito e está bastante harmonioso, apelando por um longo passeio à beira rio. Os barcos estacionados compõem o cenário. Não ficámos para jantar, porque já tinhamos outros planos, mas ficámos curiosos por explorar os restaurantes que se espalham pelas ruas pitorescas.

DSC08937.jpgDSC08946.jpgDSC08923.jpgDSC08950.jpgDSC08954.jpg

Vamos seguramente voltar! Se tiverem algum restaurante para nos recomendar, deixem nos comentários.

Bons passeios!

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

Um pulinho até à Lousã...

por Os bloggers, em 27.04.17

Foi literalmente um pulinho o nosso passeio na Lousã...

DSC08957.jpgDSC08964.jpg

No fim de semana grande da Páscoa estivemos na região centro a visitar a família e numa das tardes solarengas decidimos ir até à Lousã.

Basicamente estivemos a reconhecer genericamente o terreno, ficámos encantados e brevemente teremos de voltar para explorar devidamente o local.

 

DSC08982.jpgDSC09000.jpg 

Já tínhamos estado noutras ocasiões na Lousã e inclusivé já tínhamos almoçado no Talasnal, uma das fantáticas Aldeias de Xisto, mas já foi há quase dez anos e a memória anseia por ser actualizada.

Neste breve passeio fomos directos até à zona do Castelo da Lousã e das Piscinas Naturais. Não sendo Verão, as comportas estavam abertas e as piscinas vazias, mesmo assim o local não perde a sua beleza natural. Ficou o desejo de em época alta dar um mergulho naquele local onde se respira a natureza no mais puro estado.

DSC09004.jpgDSC09023.jpgDSC09025.jpgDSC09032.jpg

Dali seguimos até duas Aldeias de Xisto - Candal e Talasnal. São sítios magníficos, de uma rara beleza, paz e tranquilidade. A passagem por aqueles locais serviu para descontrair e ouvir os sons da natureza, mas vamos ter de voltar com o tempo menos contado, para desfrutar ao máximo daqueles locais.

DSC09039.jpgDSC09064.jpgDSC09072.jpgDSC09075.jpgDSC09094.jpgDSC09081.jpg

E vocês, conhecem a Lousã e/ou as Aldeias de Xisto?

Há mais fotos deste passeio no Instagram.

Bons passeios!

 

PS.: Já votaram hoje no momondo Open World Awards? Lembrem-se que podem votar uma vez por dia até dia 30 de Abril e para votar basta clicar aqui. Obrigado!

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

A Quinta Real de Caxias

por Os bloggers, em 21.04.17

Ao navegar no Instagram, deparámo-nos com fotos de uma belíssimo jardim que pela legenda, seria em Caxias. Como é uma zona por onde o XY passa todos os dias no trajecto trabalho casa e vice-versa, ficou bastante intrigado e não descansou enquanto não descobriu o jardim das fotos, que se veio a revelar ser o Jardim da Quinta Real de Caxias!

DSC08334.jpgDSC08338.jpg

A Quinta Real de Caxias situa-se mesmo em frente à Estação de Comboios de Caxias, no entanto, mesmo para quem conhece a zona, passa muito despercebida. A Quinta foi mandada edificar na primeira metade do séc. XVIII pelo Infante D. Francisco, filho de D. Pedro II e D. Maria Sofia de Neuborg, prolongando-se a sua construção até ao início do séc. XIX.

DSC08296.jpg

O seu jardim é uma verdadeira obra de arte. Inspirado nos jardins do Palácio de Versalhes, encontramos lagos, jogos de água e arbustos com formas geométricas, a evocar os faustos barrocos. De salientar uma majestosa cascata visível de qualquer ponto do jardim, decorada com estátuas em terracota da escola de Machado de Castro. As estátuas representam uma cena mitológica, segundo a qual a Deusa Diana vinha tomar banho junto da gruta onde o seu amado pastor Endimião dormia um sono eterno. O topo da cascata serve também de miradouro sobre Caxias e o próprio jardim.

DSC08305.jpgDSC08306.jpgDSC08309.jpgDSC08310.jpg

O jardim foi alvo de um recuperação levada a cabo pela Câmara Municipal de Oeiras, tornando- se num dos elementos de maior interesse arquitetónico e histórico do concelho e que mereceu o Prémio Europeu atribuído à Recuperação de Jardins Históricos.

DSC08314.jpgDSC08323.jpgDSC08312.jpg

A entrada no jardim é gratuita e no Inverno é possível visitá-lo entre as 10h e as 18h e no Verão entre as 9h e as 21h.

O dia que escolhemos para o visitar é que estava um pouco escuro, a ameaçar com chuva, no entanto deu para visitar todo o jardim e ficar com vontade de voltar! E vocês, já conhecem?

DSC08318.jpgDSC08322.jpg

Bons passeios!

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

Há sítios mágicos e o Cais Palafítico da Carrasqueira é sem dúvida um deles!

Estava na nossa mira há já alguns tempos ir à descoberta do Cais Palafítico da Carrasqueira, muito perto da Comporta, para apreciar o pôr do Sol e tirar uma fotos.

DSC08474.jpgDSC08466.jpg

Junto à aldeia piscatória da Carrasqueira a arte popular levou à construção do Cais Palafítico. Nas margens do Sado, que banham a Carrasqueira, nem sempre era fácil chegar às embarcações. Então, há mais de 2 séculos começou a erguer-se um cais em madeira, entre as margens baixas e lamacentas e o sapal. O Cais Palafítico está construído em ziguezage, sobre a água, com uma grande área para atracar as embarcações e um passadiço para circular. Funciona como local de trabalho, de recreio e de lazer...

DSC08502.jpgDSC08487.jpg

Ao pôr do sol acontece a magia... O espaço é improvável e já de si mágico, o pôr do sol desce sobre o mar, a Arrábida e o estuário do Sado servem de pano de fundo, com uma banda sonora suave, quase silenciosa, que brota da natureza!

É também um local muito visitado pelos amantes da fotografia, ao chegar perto da "hora dourada" os passadiços são "inundados" por fotógrafos em passo acelerado para conseguir o melhor spot. 

DSC08470.jpgDSC08481.jpgDSC08505.jpg

Se não conhecem, têm mesmo de ir lá, pois não há palavras e imagens que descrevam devidamente o local!

Bons passeios!

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

Sobe, Sobe, Balão Sobe

por Os bloggers, em 05.04.17

Não... Não vamos falar da conhecida música de Manuela Bravo, vamos falar de balões de ar quente.

DSC08700.jpg

Se nos seguem no Instagram (se não seguem, não sabem o que andam a perder ) já viram algumas fotos de balões de ar quente que publicámos. Terminou no passado dia 2 de Abril, em Coruche, a primeira edição do Rubis Gás Up - Festival Internacional de Balonismo. O evento contou com 35 balões de ar quente de diversas nacionalidades, feitios e tamanhos! Um verdadeiro espectáculo de cor nos céus de Coruche!

DSC08688.jpg

Apesar do cansaço acumulado da semana, a nossa curiosidade não nos deixou parar e fomos até lá espreitar estes gigantes do céu super silenciosos. Fomos no sábado à tarde, pelo programa do evento a tarde prometia ser animada e a festa prolongava-se até à noite. Chegámos por volta das 17h e apesar da enorme afluência, o estacionamento foi relativamente fácil. 

DSC08713.jpgDSC08673.jpgDSC08684.jpgDSC08690.jpg

Quando chegámos ao recinto já haviam balões a serem preparados, um em forma de joaninha, outro de cavalo marinho, outro de botija de gás e com particular destaque para o enorme balão Holandês em forma de mota de pista que captava todas as atenções pelo seu tamanho e forma peculiar. Enquanto as equipas iam estendendo os seus balões para os insuflar, originavam pequenas corridas entre os amantes da fotografia que não queriam perder nenhum momento.

DSC08655.jpgDSC08635.jpg DSC08709.jpgDSC08710.jpg

Apesar dos esforços das equipas e para tristeza do público presente, o vento que se fazia sentir acabou por não permitir a descolagem dos balões, no entanto e já com o sol a esconder-se, 2 balões acabaram por arriscar a levantar para dar algum brilho ao espectáculo.

DSC08722.jpgDSC08723.jpgDSC08725.jpgDSC08728.jpg

Com a noite a cair, decidimos dar uma voltinha pela Feira de Artesanato e Sabores da região, onde comprámos um delicioso mel caseiro. Acabámos por petiscar por ali para fazer tempo até ao espectáculo Night Glow, que seria um espetáculo de luz com os Balões cheios e perfilados no solo, criando um jogo de luzes e música. Este espectáculo acabou por também não acontecer devido ao vento que teimava em "estragar" a festa. 

DSC08734.jpg DSC08750.jpgDSC08745.jpgDSC08770.jpgDSC08764.jpgDSC08773.jpg

Ficámos um pouco tristes por não termos visto todos os balões no ar como seria expectável, mas em eventos em que o Tempo é rei e senhor, não há volta a dar. No entanto, da parte da organização foi pena a falta de informação e comunicação durante todo o evento, seria expectável que fossem informando sobre as condições climatéricas no local e se as mesmas permitiam voar ou não.

No resumo do dia, ficámos com uma enorme vontade de experimentar um voo de balão, deve ser fantástico vislumbrar as paisagens ao sabor do vento!

E voçês, já experimentaram alguma vez? Se sim, em que zona do país?

Bons passeios!

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

A beleza das Cascatas do Rio Mourão

por Os bloggers, em 29.03.17

Não nos cansamos de descobrir cantos e recantos deste belo Portugal e quanto mais descobrimos mais percebemos que há muito por descobrir e que temos locais maravilhosos!

No último fim de semana solarengo fomos descobrir a Cascata do Rio Mourão, em Anços, Montelavar, muito perto de Sintra.

DSC08566.jpgDSC08535.jpg

A melhor forma de lá chegar é utilizar a estrada que liga Pêro Pinheiro a Negrais, desviar para Anços e procurar a placa indicativa da Cascata. O carro deve ser deixado nas imediações da placa. Aconselhamos o uso de calçado confortável para caminhada em terreno irregular, apesar de haver um caminho bem definido, o piso é irregular e com algumas pedras soltas, pelo que se recomenda também algum cuidado.

DSC08518.jpg

DSC08562.jpg

O dia estava Primaveril e cruzámo-nos com alguns grupos de pessoas a ir e a voltar da Cascata.

Seguimos por caminhos propositadamente construídos entre a vegetação e as ruínas de azenhas, o som da água corrente e saltitante deixa-nos perceber que aquele é o caminho certo, o entusiasmo cresce e começamos a vislumbrar um riacho. Descemos até junto da água e a montante ergue-se a cascata! É um sítio muito bonito!

 DSC08521.jpgDSC08559.jpg 

A paisagem serviu de palco para um mini-piquenique, numa das muitas rochas que ali existem e que parecem ter sido colocados no local para esse efeito, Serviu também como pano de fundo para muitas fotos!

DSC08555.jpgDSC08542.jpg

Já conhecem o local? Sugerimos uma visita!

Bons passeios!

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

Uma Tarde em Arraiolos

por Os bloggers, em 15.03.17

Muito perto de Montemor-o-Novo ergue-se a vila de Arraiolos, conhecida pelos famosos Tapetes de Arraiolos.

A paisagem de Arraiolos é dominada pelo seu imponente Castelo circular, que tem um formato original e está altaneiro em relação ao casario caiado de branco, casario esse que compõe a paisagem.

DSC08213.jpg

Começámos por visitar o Castelo, calcorreando o seu interior e apreciando a paisagem através dele. Daqui seguimos para o centro da pitoresca vila, mais concretamente para o Centro Interpretativo do Tapete de Arraiolos.

DSC08130.jpgDSC08128.jpgDSC08133.jpgDSC08135.jpg

O Centro Interpretativo do Tapete de Arraiolos é um espaço museológico que tem como missão promover o estudo e a divulgação do Tapete de Arraiolos. Dá-nos a conhecer a história e evolução do Tapete de Arraiolos desde o século XVII até aos dias de hoje, exibindo tapetes originais com 2 e 3 décadas e algumas réplicas. A visita é bastante interessante e a entrada é de apenas 1 euro por pessoa.

DSC08161.jpgDSC08155.jpgDSC08152.jpgDSC08145.jpg

Lanchámos no centro de Arraiolos e provámos as iguarias locais, o Pastel de Toucinho e a Empada de Galinha, ambos muito saborosos. Energias recarregadas e fomos até à Aldeia da Terra, a 5 minutos de carro do centro de Arraiolos.

DSC08140.jpgDSC08163.jpgDSC08208.jpg

A Aldeia da Terra consiste num jardim de esculturas, conhecido como a aldeia mais caricata de Portugal. Este projecto, classificado de Interesse Cultural pela Secretaria de Estado da Cultura, é da autoria do artesão e artista plástico Tiago Cabeça que há mais de dezassete anos vem juntando prémios e distinções. Através das esculturas estão imortalizadas a maioria das figuras caricatas e típicas de Portugal. É um sítio engraçado e que vale a pena visitar, embora consideremos que o valor da entrada se torne um pouco elevado para uma família (5 euros por adulto e 3 euros para crianças).

DSC08167.jpgDSC08205.jpgDSC08206.jpgDSC08197.jpgDSC08189.jpgDSC08190.jpgDSC08184.jpg

Perto de Arraiolos ainda apreciámos a beleza das vinhas do Monte da Ravasqueira. Para a próxima vez que formos para aquelas paragens teremos de programar uma vista ao monte e ao seu Museu de Atrelagens...

DSC08223.jpg

Na estrada entre Arraiolos e Montemor-o-Novo parámos estrategicamente na Barragem dos Minutos e junto a uma quinta semi-abandonada, com uma escola que há muito deve ter perdido o poder de ensinar e que posou para nossa máquina fotográfica. Paisagens bonitas!

DSC08237.jpgDSC08124.jpg

Bons passeios!

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

Escapadinha em Montemor-o-Novo

por Os bloggers, em 08.03.17

O prometido é devido e aqui está então o nosso post sobre a nossa mais recente escapadinha pelo Alentejo.

Foi no último fim-de-semana de Fevereiro que nos aventurámos novamente por terras alentejanas, desta vez por Montemor-o-Novo.

DSC07993.jpg

Trata-se de um cidade alentejana, do distrito de Évora, a pouco mais de 1 hora de Lisboa, muito perto de Arraiolos e de Vendas Novas, onde aliás também estivemos.

Trata-se de uma cidade simpática, com ruas pitorescas e vigiada pelo castelo que, lá no alto, domina a paisagem.

DSC08106.jpgDSC08088.jpg

O Castelo de Montemor-o-Novo abrigava originalmente nos seus muros a povoação que, ao crescer, se expandiu pela encosta a Norte. Documentos históricos confirmam que foi neste local que Vasco da Gama projectou a sua viagem para a Índia. Apesar de estar em ruínas, é um espaço agradável para se dar um passeio e por momentos voltar ao tempo dos reis. No recinto podemos ver o Convento da Saudação, a Igreja de São Tiago, o Centro Interpretativo do Castelo, escavações arqueológicas do antigo povoado, ruínas dos Paços do Concelho e Cadeia, ruínas do Paço dos Alcaides e a Igreja de S. João Baptista. Do Castelo avistámos também a cidade, os campos e vales circundantes. Enquanto lá andávamos percebemos que estavam a decorrer filmagens, possivelmente para um programa cultural. A entrada no recinto do castelo é gratuita.

DSC08092.jpgDSC08091.jpgDSC08114.jpgDSC08122.jpgDSC08109.jpgDSC08096.jpg

Mas as surpresas não são apenas as que aparecem nas alturas, descobrimos um belo segredo subterrâneo por aquelas paragens, que muito gostámos de explorar.

Estamos a falar da Gruta do Escoural, que foi descoberta em 1963 numa pedreira próxima de Santiago do Escoural. Aquilo que começou por se revelar uma câmara funerária utilizada na época Neolítica, veio a revelar outros segredos - pinturas e gravuras rupestres, as primeiras atribuídas em Portugal ao Paleolítico Superior. A visita visita começa no Centro de Interpretação em Santiago do Escoural, para nos familiarizarmos com a história do local e depois seguimos de carro para a Gruta (a cerca de 3 km), cuja história, pinturas e gravuras nos são detalhadamente apresentadas por uma simpática guia. É um espaço muito bonito e que nos despertou imensa curiosidade. Infelizmente não é permitido fotografar, por isso a foto do interior que apresentamos foi retirada da Web. As visitas carecem de marcação prévia, para mais informações espreitem aqui. A visita fica por 3 euros para os adultos, é gratuita para crianças até aos 12 anos e fica a 1,5€ para +65 anos e portadores do cartão jovem.

DSC07982.jpgDSC07984.jpg096.jpg

Depois de sairmos da Gruta do Escoural, fomos conhecer a Anta-Capela de Nossa Senhora do Livramento. Esta peculiar construção resulta de uma Anta Neolítica que terá sido erguida entre meados do IV e meados do III milénio a.C e que em meados do Séc. XVII foi transformada numa capela. É considerada Monumento Nacional desde 1910. A Anta-Capela está localizada numa herdade, a estrada é estreita e sinuosa mas vale a pena percorrê-la para ver este monumento, desfrutar da paisagem e do silêncio da planície alentejana.

DSC08000.jpgDSC08001.jpgDSC08015.jpg

Na nossa escapadinha ainda conhecemos um hotel especial, um restaurante típico (agradável surpresa!), demos um pulo a Arraiolos e passámos em Vendas Novas.

Não percam os próximos episódios!

Bons passeios!

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

Final de tarde no Cabo Raso

por Os bloggers, em 13.02.17

Entre Cascais e o Guincho há mil e um pontos de paragem para admirar a beleza das arribas e em dias de agitação marítima, a imponência do mar e da rebentação das ondas faz-nos sentir pequeninos.

É um dos nossos sítios de eleição para passeios de Inverno, é fácil circular, tem muito estacionamento e se ficarmos com fome há alguns restaurantes / bares para petiscar enquanto desfrutamos da vista. Hoje troquei a XX pela máquina fotográfica e a paragem foi no Farol do Cabo Raso.

DSC07907.jpg

Com o fim de semana frio e chuvoso, no sábado aproveitámos para umas compras na loja Sueca mais famosa de Portugal, para desfrutar do sofá na companhia de chá e alguns filmes, já no domingo, a XX foi trabalhar e eu fiquei de serviço em casa. Depois dos móveis montados e a bricolage terminada, estava com o "bichinho" para ir fotografar um pouco, consultei algumas app's e todas me deram uma janela sem chuva entre as 18h e as 20h, era mesmo o que precisava!  

Cheguei mesmo no pico da "Hora Dourada" que rapidamente passou a uma explosão de cores colorindo as nuvens no céu numa mistura de laranja e púrpura. 

DSC07911.jpgDSC07915-2.jpg

O mar estava picado e não deu para ir para os sítios que tinha em mente, no entanto deu para "matar o bichinho". Nas fotos em cima, do lado esquerdo, é possível ver uma forte chuvada que estava a cair no oceano.

DSC07924.jpgDSC07927.jpgDSC07920.jpg

Foi um surpreendente final de tarde, sem vento, sem chuva e com um fantástico pôr do sol! 

Bons passeios!

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

A Lagoa Azul

por Os bloggers, em 08.02.17

Num dos últimos fins de semana em que o sol brilhou, não nos deixámos vencer pela preguiça e pelo frio e partimos à descoberta de mais um cantinho que nos andava a "chamar" há algum tempo.

Esta cantinho que vos trazemos hoje é a Lagoa Azul. Fica muito pertinho de Lisboa, no sopé da mística Serra de Sintra.

DSC07481.jpg

Apesar da proximidade de Lisboa esta lagoa passa despercebida à maioria, no entanto, para os fãs do Rally de Portugal não traz as melhores memórias visto que foi no troço da Lagoa Azul que aconteceu o fatídico acidente de 1986. 

DSC07451.jpgDSC07434.jpg

A zona é de fácil acesso tanto a pé como de carro e existe algum espaço que permite o estacionamento mesmo junto à Lagoa. É um local muito agradável para caminhadas pelos trilhos que existem em redor, para passear os animais ou simplesmentar desfrutar do silêncio da natureza (se não houverem provas no Autódromo) e da fauna local.

DSC07431.jpgDSC07463.jpg

Na Lagoa podemos encontrar carpas, mexilhão de água doce, cágados e algumas aves como o pato bravo, o chapim-rabilongo, o chapim-carvoeiro, rolas e pombas. Apesar da abundante biodiversidade e do aspecto calmo, não é aconselhável ir a banhos na Lagoa porque a água é imprópria para a prática balnear.

DSC07477.jpgDSC07479.jpg

Seguindo a estrada em direcção a Cascais, ou indo pelos trilhos pedonais na mesma direcção, encontramos a Barragem do Rio da Mula, outro fantástico lugar para desfrutar da Natureza.

DSC07485-2.jpg

Já conheciam ou já fizeram algum dos trilhos que por ali se encontram?

Bons passeios!

 

Coodernadas:
38° 46' 5.0333'' N

9° 23' 59.3387'' W 

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00


Mais sobre mim

foto do autor


Sigam-nos


O melhor blog do mundo


Instagram




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.