Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Um passeio pela Arrábida

por Os bloggers, em 02.06.17

Querem respirar ar puro, por entre o verde da serra e o azul do mar, sentirem-se no topo do mundo e derrepente em belas e reconditas praias de encantar?

Parece díficil, mas não é... Basta darem um pulo até à Serra da Arrábida!

DSC09720.jpg

Do alto dos seus 501 metros de altura podemos apreciar a beleza das suas encostas... De um lado vê-se a imensidão do Atlântico, recortada por praias encantadas, como o Portinho da Arrábida, a Praia da Figueirinha, a recém eleita praia mais bonita da Europa, a praia dos Galapinhos, a muito famosa e de difícil acesso praia da Ribeira do Cavalo, entre outras. Do outro, o olhar estende-se até onde a vista alcança, nomeadamente até Lisboa.

DSC09282.jpgDSC09289.jpgDSC09716.jpgDSC09295.jpg

Por entre os seus segredos e construções destacam-se o Convento de Nossa Senhora da Arrábida (construído no século XVI e que foi outrora uma mosteiro Franciscano), o Cabo Espichel e o Santuário de Nossa Senhora do Cabo Espichel, a 7ª Bataria do Outão , o Palácio da Comenda , o Forte do Outão e o Castelo de Palmela, os dois últimos já conhecíamos de outros passeios.

 

DSC09261.jpgDSC09277.jpgDSC09266.jpgDSC09455.jpgDSC09497.jpg

A Serra da Arrábida é também destino dos amantes de desportos como a Escalada, o Parapente, Asa Delta, Espeleologia, Trekking e o Soft Coasteering que permite visitar locais de difícil acesso, que na sua maioria só são acessíveis pela zona costeira da serra. Para a prática de Parapente e Asa Delta existem as rampas do Portinho, do Miradouro das Antenas e do Miradouro da Murteira.

DSC09279.jpg

Este destino é daqueles que gostaríamos de repetir vezes sem conta, mas no Verão, as enormes filas que se formam na Ponte 25 de Abril na ida e na volta, desencorajam-nos logo, no entanto é uma óptima sugestão para estes dias quentes de Primavera.

Bons passeios e bom fim de semana!

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

Um palacete (abandonado) à beira-mar

por Os bloggers, em 29.05.17

Quem nos segue já percebeu que temos um certo fascínio por espaços abandonados com histórias para contar... No topo das nossas preferências estão o Panorâmico de Monsanto e o Monte Palace dos Açores... Só estando nos locais se percebe a verdadeira magia!

 

Num dos últimos fins-de-semana fomos conhecer um outro "abandonado" que queríamos conhecer há uns tempos, a Casa da Quinta da Comenda (Palácio da Comenda), na Serra da Arrábida.

DSC09347.jpgDSC09401.jpg

O Palácio da Comenda está numa das encostas da Arrábida, a cerca de 2 km de Setúbal, banhado pelo estuário do Sado, com uma praia privada e de olhos postos em Tróia. Maravilhoso!
A origem do Palácio remonta ao século XVIII, tendo sido residência da mais alta Realeza Europeia. Foi reconstruído no início do séc. XX por um conceituado arquitecto da época e reza a história que Jacqueline Kennedy se refugiou com os filhos neste palácio aquando do assassinato de JFK, na altura propriedade de uns amigos pessoais dos Kennedy.

DSC09400.jpg

Depois de um passeio pela Arrábida chegámos facilmente ao Palácio. É impossível não ficar fascinado desde logo com a localização e pela imponência daquele edifício à beira-mar plantado, num local onde o Sado alcança o Oceano.

DSC09348.jpg

Chegando junto do Palácio são bem visíveis as marcas do abandono e vandalismo (do tempo e da mão humana). Adivinham-se belos painéis de azulejos, interiores e exteriores, já quase todos delapidados.

DSC09351.jpgDSC09393.jpgDSC09357.jpgDSC09391.jpg

O piso é irregular, exige muita atenção. Os vidros batem, por acção do vento... E ouvem-se ruídos da contínua devastação humana... As vistas, essas são soberbas!

DSC09385.jpgDSC09358.jpgDSC09382.jpgDSC09365.jpgDSC09368.jpg

Na maioria dos abandonados que visitámos cruzámo-nos com grupos de curiosos de máquina fotográfica na mão (como nós) e presenciámos algumas sessões fotgráficas. Aqui foi diferente (para pior)... Os curiosos de máquina na mão eram a minoria, contrastando com curiosos que ali estavam apenas para acelerar o processo de degradação... Triste, no mínimo... O Palácio da Comenda merecia um melhor fim!

DSC09355.jpgDSC09395.jpgDSC09396.jpg

E vocês, conheciam este Palácio?

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

A desbravar a 7ª Bataria

por Os bloggers, em 23.05.17

A 7ª Bataria do Regimento de Artilharia de Costa de Outão, situada na Serra da Arrábida, foi uma importante unidade de defesa costeira do exército português, que esteve em actividade até 1998 e desde então está entregue ao abandono.

DSC09328.jpgDSC09343.jpgDSC09303.jpg

Do alto das suas instalações tem-se uma vista soberba sobre o Atlântico que contrasta com o seu estado de abandono. Cada recanto e cada janela para o mar oferecem uma paisagem única e deslumbrante.

DSC09296.jpgDSC09301.jpgDSC09309.jpgDSC09311.jpgDSC09302.jpg

Uma vez visitadas as instalações da 7ª Bataria, onde restam apenas as paredes, partimos até à zona dos canhões, virados estrategicamento sobre o mar. São canhões abandonados, mas "modernos", comparando com aqueles que estamos habituados a ver nos castelos - estes são designados Vickers de 152 mm de médio alcance.

DSC09323.jpgDSC09327.jpgDSC09331.jpg

DSC09330.jpgDSC09338.jpg

Apesar do elevado estado de degradação, as instalações são muito visitadas por curiosos e utilizadas para jogos de airsoft, proporcionando um cenário bélico com uma paisagem deslumbrante. 

DSC09341.jpg

Sabemos que também a 5ª Bataria, na Trafaria, está no mesmo estado, sendo possível visitá-la, mas quando tentámos a visita não tivemos sucesso a encontrar o acesso, vamos tentar de novo para vos trazer fotos do local.

Bons passeios!

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

O esplendoroso Forte (Hospital) do Outão

por Os bloggers, em 27.07.16

Título estranho, pensam muitos de vocês...

Sim, o título pode parecer confuso, mas espelha a realidade, pois nem sempre os hospitais nascem nos sítios mais prováveis.

DSC04268.jpgDSC04224.jpg

Em plena encosta marítima da Arrábida, de olhos postos no mar, com um alcance infinito para o oceano e mágico para Tróia, nasceu o Forte de Santiago de Outão, cuja primeira pedra foi lançada no reinado de D. João I, por volta do ano 1390.

DSC04267.jpgDSC04266.jpg

O Forte do Outão cresceu ao longo dos séculos, apresentando quase sempre funções de vigia e de defesa, não lhe faltando um típico farol.

DSC04265.jpgDSC04236.jpg

Em fases diferentes do século XIX chegou a servir de prisão e posteriormente de residência de veraneio de uma família da nobreza. Por volta do ano de 1900 foi convertido no Sanatório Marítimo de Outão e uma década depois em Hospital Ortopédico, função que conserva até aos nossos dias - Hospital Ortopédico Sant'Iago Outão (que pertence ao Centro Hospitalar de Setúbal).

 

Há poucos dias tivemos a sorte de conhecer este espaço. Como não foi no contexto de qualquer maleita ortopédica, só trouxemos boas recordações.

As vistas são soberbas. O calor e luminosidade que se faziam sentir ajudaram a compor a moldura. Ficámos deliciados com a existência de uma pequena praia privada, de águas transparentes e com Tróia como pano de fundo. Vimos vários barcos a desfrutar do Verão e alegres gaivotas esvoaçantes!

DSC04225.jpgDSC04230.jpgDSC04258.jpgDSC04238.jpgDSC04231.jpg

Há mesmo belas preciosidades neste nosso Portugal!

Bons passeios!

 

Acompanhem-nos também no Facebook e no Instagram.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:30


Mais sobre mim

foto do autor


Sigam-nos


O melhor blog do mundo


Instagram




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Links

  •  




  • Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.